Participação do ICATOR no Congresso Catarinense de Cirurgia 2024

O Instituto de Cirurgia Avançada do Tórax (ICATOR) teve a honra de participar do Congresso Catarinense de Cirurgia e Encontro Catarinense dos Residentes de Cirurgia, realizado nos dias 7 e 8 de junho. Este evento marcou a retomada dos encontros científicos do congresso pós-pandemia, proporcionando uma oportunidade crucial para discutir o futuro da cirurgia e promover a educação continuada e a atualização dos médicos e residentes de todo o estado, além de outros profissionais envolvidos no tratamento cirúrgico de diversas patologias.

O parte do evento relacionada à Cirurgia Torácica iniciou com uma palestra sobre atualidades em transplante de pulmão, proferida pelo Dr José Camargo, cirurgião de renome mundial, que proporcionou uma visão abrangente sobre os avanços e desafios nesse campo específico.

A mesa-redonda sobre cirurgia do trauma foi um dos pontos altos do evento. Sandino Ragnini Sá destacou-se ao discutir o manejo clínico e cirúrgico das fraturas do gradil costal, enquanto Thiago Leandro Marcos abordou o tratamento das complicações agudas e tardias do trauma torácico. Suas contribuições foram essenciais para as discussões, trazendo perspectivas valiosas e práticas.

Durante o evento, os participantes tiveram a oportunidade de visitar expositores e pôsteres, o que promoveu uma rica troca de conhecimentos e networking entre os profissionais presentes.

Este congresso foi cuidadosamente preparado para difundir o que há de melhor na especialidade, associando inovação, treinamento e prática assistencial. A participação do ICATOR foi fundamental para compartilhar conhecimento e colaborar com outros especialistas, sempre visando a melhoria contínua dos cuidados aos pacientes.

O evento ressaltou a importância da colaboração e do intercâmbio de conhecimentos para o avanço das práticas cirúrgicas e o desenvolvimento de novas técnicas e tecnologias no campo da cirurgia torácica e geral. O ICATOR se orgulha de ter participado de um evento tão significativo, contribuindo para o avanço da medicina e o fortalecimento da comunidade cirúrgica.

O Instituto de Cirurgia Avançada do Tórax (ICATOR) esteve presente na 32ª Conferência Europeia de Cirurgia Torácica Geral, que ocorreu em Barcelona, Espanha, entre os dias 26 e 28 de maio de 2024. Este evento foi um dos mais importantes no campo da cirurgia torácica, reunindo especialistas de todo o mundo para compartilhar conhecimentos, discutir avanços e promover a colaboração internacional.

A conferência ofereceu uma programação diversificada e intensa, com diversos simpósios, sessões de pôsteres, palestras convidadas e cooperações com associações internacionais. No primeiro dia, o evento começou com o Simpósio de Pós-Graduação Master Cup e a abertura da exposição, seguido de uma série de sessões em cooperação com sociedades cirúrgicas renomadas, como a Associação Japonesa de Cirurgia Torácica (JACS). Houve também uma cerimônia de abertura e uma recepção de boas-vindas.

No segundo dia, as atividades começaram com sessões matinais sobre ferramentas de treinamento em cirurgia torácica. Durante o dia, foram realizadas palestras importantes, incluindo a Sessão Brompton e simpósios dedicados a enfermeiros e profissionais de saúde aliados. Discussões sobre transplantes, vias aéreas e a redução da pegada de carbono na cirurgia torácica também estiveram em destaque. O dia foi encerrado com uma festa organizada pela Sociedade Europeia de Cirurgia Torácica (ESTS).

O último dia da conferência incluiu sessões sobre trauma e fixação de costelas, seguidas pela sessão dos editores e pela prestigiada Palestra Vogt-Moykopf. As atividades continuaram com cooperações com a Associação Internacional para o Estudo do Câncer de Pulmão (IASLC) e discussões sobre o futuro da cirurgia torácica, incluindo o uso de bancos de dados e inteligência artificial.

A participação do ICATOR neste evento foi essencial para o avanço das práticas cirúrgicas e o desenvolvimento de novas técnicas e tecnologias no campo da cirurgia torácica. A presença do Instituto visou promover a discussão sobre inovações cirúrgicas e colaborar com outros especialistas para melhorar os resultados e o cuidado dos pacientes.

A 32ª Conferência Europeia de Cirurgia Torácica Geral em Barcelona foi uma oportunidade imperdível para profissionais da área trocarem experiências e expandirem seus conhecimentos. O ICATOR se orgulha de ter feito parte deste evento significativo e contribuído para um futuro mais avançado e eficiente na medicina torácica.

A saúde pulmonar desempenha um papel crucial em nossa qualidade de vida, influenciando desde nossa capacidade de respirar até nossa resistência física. Enquanto muitos fatores podem afetar a saúde dos pulmões, a atividade física regular emerge como uma ferramenta poderosa para promover a saúde pulmonar. Neste artigo, exploraremos os benefícios da atividade física para os pulmões e ofereceremos recomendações para incorporar exercícios que fortaleçam a saúde respiratória em sua rotina diária.

Benefícios da Atividade Física na Saúde Pulmonar:

Melhora da Capacidade Pulmonar: O exercício aeróbico regular, como corrida, natação e ciclismo, fortalece os músculos respiratórios e aumenta a capacidade dos pulmões para absorver oxigênio e eliminar dióxido de carbono. Isso resulta em uma respiração mais eficiente e uma melhor oxigenação dos tecidos do corpo.

Redução do Risco de Doenças Pulmonares: Estudos mostram que a atividade física regular está associada a um menor risco de desenvolver doenças pulmonares crônicas, como asma, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e fibrose pulmonar. O exercício fortalece o sistema imunológico e reduz a inflamação nos pulmões, ajudando a prevenir o desenvolvimento dessas condições.

Promoção da Saúde Respiratória em Indivíduos com Condições Pulmonares Pré-existentes: Para pessoas que já sofrem de doenças pulmonares, como asma ou DPOC, a atividade física pode melhorar a capacidade pulmonar, reduzir a gravidade dos sintomas e aumentar a tolerância ao exercício. Programas de reabilitação pulmonar, que incluem exercícios supervisionados por profissionais de saúde, têm demonstrado ser especialmente benéficos para esses pacientes.

Aumento da Resistência Cardiorrespiratória: A prática regular de exercícios aeróbicos fortalece o coração e os pulmões, melhorando a capacidade do corpo de transportar oxigênio para os músculos durante a atividade física. Isso resulta em uma maior resistência cardiorrespiratória, permitindo que você realize tarefas diárias com menos esforço e se sinta menos cansado.

Recomendações para Incorporar Atividade Física na Rotina para Promover a Saúde Pulmonar:

Consulte um Profissional de Saúde: Antes de iniciar qualquer programa de exercícios, é importante consultar um médico ou profissional de saúde, especialmente se você tiver uma condição pulmonar pré-existente.

Escolha Atividades Aeróbicas: Opte por exercícios que aumentem a frequência cardíaca e a respiração, como caminhada, corrida, natação, ciclismo ou dança. Tente realizar pelo menos 150 minutos de atividade aeróbica de intensidade moderada por semana, de acordo com as diretrizes de saúde.

Incorpore Exercícios de Fortalecimento Muscular: Além de atividades aeróbicas, inclua exercícios de fortalecimento muscular, como levantamento de peso ou yoga, para fortalecer os músculos respiratórios e melhorar a postura.

Seja Consistente e Progressivo: Comece com atividades de baixa intensidade e aumente gradualmente a duração e a intensidade à medida que sua aptidão física melhora. Lembre-se de incluir períodos de aquecimento e alongamento antes e depois do exercício para evitar lesões.

A atividade física regular desempenha um papel vital na promoção da saúde pulmonar, melhorando a capacidade pulmonar, reduzindo o risco de doenças pulmonares e aumentando a resistência cardiorrespiratória. Ao incorporar exercícios aeróbicos e de fortalecimento muscular em sua rotina diária, você pode desfrutar de pulmões mais saudáveis e uma melhor qualidade de vida geral. Lembre-se sempre de consultar um profissional de saúde antes de iniciar um novo programa de exercícios, especialmente se você tiver preocupações com sua saúde pulmonar.

O trauma torácico é uma ocorrência comum, muitas vezes associada a acidentes de trânsito, quedas, ferimentos por armas ou outros eventos traumáticos. As lesões resultantes desse tipo de trauma podem variar de leves a graves, exigindo intervenção médica imediata.

Causas e Impacto
As principais causas de trauma torácico incluem acidentes automobilísticos, quedas de altura e agressões físicas. O impacto desses eventos pode resultar em uma série de lesões, desde contusões pulmonares até fraturas de costelas e danos aos órgãos internos.

Fraturas de Costela: Uma Lesão Comum
Entre as lesões torácicas mais frequentes estão as fraturas de costela. Estas ocorrem quando uma ou mais das costelas são quebradas devido a um impacto direto no tórax. Embora muitas vezes dolorosas e limitantes, as fraturas de costela geralmente se curam com o tempo e cuidados adequados.

Tratamento Convencional e Cirúrgico
O tratamento convencional para fraturas de costela geralmente envolve repouso e analgésicos. No entanto, em certas situações, especialmente quando há complicações como deslocamento grave das costelas ou danos aos órgãos internos, a cirurgia pode ser necessária.

Cirurgia Torácica: Uma Opção Vital
Embora menos comum do que outros métodos de tratamento, a cirurgia torácica desempenha um papel crucial no manejo de certas lesões traumáticas. Em casos graves de fraturas de costela, onde há risco de danos adicionais aos pulmões ou outros órgãos, a intervenção cirúrgica pode ser recomendada.

Técnicas Cirúrgicas Modernas
As técnicas cirúrgicas para fraturas de costela variam de acordo com a gravidade e a extensão da lesão. Em muitos casos, os cirurgiões podem optar por fixar as costelas quebradas com placas e parafusos para promover a estabilidade e facilitar a cicatrização.

Conclusão
O trauma torácico, embora comum, não deve ser subestimado. As fraturas de costela, uma das lesões mais frequentes associadas a esse tipo de trauma, podem exigir uma variedade de abordagens de tratamento, incluindo a cirurgia em casos graves. É importante que pacientes e profissionais médicos estejam cientes das opções disponíveis para garantir o melhor resultado possível para cada caso individual.

A cirurgia torácica tem evoluído significativamente ao longo das últimas décadas, impulsionada por avanços tecnológicos e técnicas inovadoras. Entre esses avanços, as técnicas minimamente invasivas emergiram como uma opção preferida para muitos pacientes e cirurgiões. A videotoracoscopia e a cirurgia robótica são dois exemplos proeminentes dessas abordagens, oferecendo benefícios substanciais na recuperação e nos resultados dos pacientes.

Videotoracoscopia:

A videotoracoscopia, é um tipo de cirurgia torácica minimamente invasiva que envolve a realização de procedimentos cirúrgicos através de pequenas incisões no tórax, utilizando uma câmera de vídeo de alta definição e instrumentos cirúrgicos especializados. Essa técnica permite ao cirurgião visualizar o interior do tórax com precisão e realizar intervenções complexas com mínima invasão.

Benefícios:

  1. Menor Trauma Cirúrgico: As incisões pequenas reduzem o trauma nos tecidos circundantes, resultando em menos dor pós-operatória e menor tempo de recuperação.
  2. Menor Perda de Sangue: A visualização clara oferecida pela câmera de vídeo permite uma manipulação mais delicada dos tecidos, minimizando a perda de sangue durante a cirurgia.
  3. Menor Tempo de Internação: Os pacientes submetidos à videotoracoscopia geralmente têm estadias hospitalares mais curtas em comparação com a cirurgia tradicional de tórax aberto.
  4. Recuperação Mais Rápida: A redução do trauma e do tempo de internação contribui para uma recuperação mais rápida e retorno mais precoce às atividades normais.

Cirurgia Robótica:

A cirurgia robótica representa o pináculo da precisão e da tecnologia na cirurgia minimamente invasiva. Utilizando um sistema robótico avançado controlado pelo cirurgião, os procedimentos torácicos podem ser realizados com uma precisão extraordinária, mesmo em espaços confinados dentro do tórax.

Benefícios:

  1. Precisão Aumentada: Os braços robóticos podem ser controlados com movimentos precisos e estáveis, permitindo uma manipulação cuidadosa dos tecidos e estruturas anatômicas.
  2. Ampliação da Visão: Os sistemas de imagem de alta definição fornecem uma visão ampliada e detalhada do local da cirurgia, auxiliando o cirurgião na tomada de decisões precisas.
  3. Melhor Ergonomia: O cirurgião opera a partir de uma estação ergonômica, com controles confortáveis e uma visão tridimensional, reduzindo a fadiga durante procedimentos prolongados.
  4. Recuperação Aprimorada: Os benefícios da cirurgia minimamente invasiva, como menor dor e tempo de recuperação, são amplificados pela precisão e eficácia da cirurgia robótica.

As técnicas minimamente invasivas em cirurgia torácica, como a videotoracoscopia e a cirurgia robótica, representam um avanço significativo na abordagem dos distúrbios torácicos. Essas técnicas oferecem benefícios substanciais na recuperação e nos resultados dos pacientes, permitindo uma intervenção cirúrgica eficaz com menor trauma e tempo de recuperação reduzido. À medida que a tecnologia continua a avançar, é provável que essas abordagens minimamente invasivas se tornem ainda mais prevalentes, transformando positivamente a prática da cirurgia torácica e melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

Melhorando a Recuperação e a Qualidade de Vida após Cirurgias Torácicas

Introdução

A cirurgia torácica é frequentemente necessária para tratar uma variedade de condições pulmonares, como câncer de pulmão, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), enfisema e outras doenças torácicas. Embora esses procedimentos possam ser vitais para o tratamento de doenças graves, eles também podem resultar em complicações respiratórias pós-operatórias e redução da função pulmonar. A reabilitação pulmonar pré-habilitação e pós-operatória surge como uma abordagem essencial para melhorar a recuperação e a qualidade de vida dos pacientes submetidos a essas cirurgias.

Importância da Reabilitação Pulmonar Pré-Habilitação

A reabilitação pulmonar pré-habilitação envolve a implementação de programas de exercícios e intervenções multidisciplinares antes da cirurgia torácica. O objetivo é otimizar a saúde pulmonar e física do paciente antes da intervenção cirúrgica, reduzindo assim o risco de complicações pós-operatórias e melhorando os resultados a longo prazo.

Benefícios da Reabilitação Pulmonar Pré-Habilitação

  1. Melhora da função pulmonar pré-operatória: Os exercícios respiratórios e físicos realizados antes da cirurgia ajudam a fortalecer os músculos respiratórios, aumentar a capacidade pulmonar e melhorar a eficiência do sistema respiratório, preparando o paciente para o procedimento cirúrgico.
  2. Redução do risco de complicações pós-operatórias: A otimização da saúde pulmonar e física do paciente antes da cirurgia pode reduzir significativamente o risco de complicações respiratórias, como atelectasia, pneumonia e infecções respiratórias, contribuindo para uma recuperação mais suave e rápida.
  3. Melhoria da capacidade de tolerar o estresse cirúrgico: Pacientes submetidos à reabilitação pulmonar pré-habilitação geralmente apresentam melhor tolerância ao estresse da cirurgia, o que pode resultar em uma recuperação mais rápida e em melhores resultados cirúrgicos.

Componentes da Reabilitação Pulmonar Pós-Operatória e Pré-Habilitação

  1. Avaliação inicial: Os pacientes são submetidos a uma avaliação abrangente de sua função pulmonar, capacidade de exercício, estado nutricional e necessidades emocionais antes da cirurgia, para identificar áreas de melhoria e desenvolver um plano de tratamento personalizado.
  2. Exercícios respiratórios e físicos: São prescritos exercícios específicos para fortalecer os músculos respiratórios, melhorar a capacidade pulmonar e aumentar a resistência física antes e após a cirurgia.
  3. Educação e suporte psicossocial: Os pacientes recebem informações detalhadas sobre o procedimento cirúrgico, os cuidados pós-operatórios e estratégias para lidar com o estresse e a ansiedade relacionados à cirurgia e à recuperação.

Conclusão

A reabilitação pulmonar pré-habilitação e pós-operatória desempenha um papel crucial na promoção da recuperação e na melhoria da qualidade de vida dos pacientes submetidos a cirurgias torácicas. Ao preparar os pacientes fisicamente e emocionalmente antes da cirurgia, e ao fornecer suporte contínuo durante o processo de recuperação, esse abordagem multidisciplinar pode ajudar a reduzir complicações pós-operatórias, melhorar os resultados cirúrgicos e permitir que os pacientes retomem uma vida ativa e saudável. Para garantir os melhores resultados, é essencial que os cirurgiões torácicos trabalhem em colaboração com uma equipe multidisciplinar, incluindo fisioterapeutas, nutricionistas e profissionais de saúde mental, para fornecer cuidados integrados e personalizados aos seus pacientes.

Caros colegas, pacientes e amigos,

Neste período festivo, gostaríamos de estender os nossos mais calorosos votos de Natal e Ano Novo a todos que fazem parte da nossa jornada no universo da cirurgia torácica. O ICATOR é mais do que um grupo de profissionais de saúde; é uma família comprometida com a excelência, a inovação e, acima de tudo, o cuidado compassivo aos nossos pacientes.

 

Neste ano desafiador, enfrentamos obstáculos significativos, mas, juntos, superamos cada desafio com resiliência e determinação. Acreditamos que a força do nosso grupo reside na união de mentes brilhantes e corações dedicados a promover a saúde e o bem-estar.

Que esta época de celebração traga alegria, esperança e renovação para todos nós. Que possamos continuar a trabalhar em conjunto, compartilhando conhecimento, experiência e compaixão, para construir um futuro onde a saúde e a cura sejam acessíveis a todos.

Agradecemos a confiança depositada em nossas mãos, e esperamos que todos desfrutem de um Natal repleto de amor, rodeados pela presença daqueles que mais estimam. Que o ano novo traga consigo novas oportunidades, realizações e saúde abundante.

Desejamos a todos um Feliz Natal e um Ano Novo cheio de paz, prosperidade e sucessos compartilhados.

Com estima,
Drs. Sandino Sá, Fábio May, Maurício Pimentel, Felipe Marcon e Thiago Marcos
(ICATOR)

Nos últimos anos, o cigarro eletrônico ganhou popularidade como uma alternativa aparentemente mais segura ao tabagismo tradicional. No entanto, a rápida aceitação desse dispositivo levanta sérias preocupações sobre seus potenciais malefícios para a saúde. Neste artigo, exploraremos os perigos muitas vezes negligenciados do cigarro eletrônico.

1. Ingredientes Tóxicos:

Contrariamente à crença popular, os cigarros eletrônicos não são inofensivos. Muitos desses dispositivos contêm líquidos de vaporização que incluem substâncias químicas tóxicas, como formaldeído, acroleína e partículas ultrafinas que podem prejudicar gravemente os pulmões.

2. Nicotina e Dependência:

Embora alguns usuários de cigarros eletrônicos possam optar por opções sem nicotina, a maioria dos líquidos de vaporização ainda contém essa substância altamente viciante. A nicotina pode levar à dependência, causando uma série de problemas de saúde física e mental.

3. Efeitos Respiratórios:

Estudos recentes indicam uma ligação entre o uso de cigarros eletrônicos e problemas respiratórios, como bronquite, asma e inflamação pulmonar. A inalação regular de vapores químicos pode comprometer significativamente a função pulmonar a longo prazo.

4. Riscos para a Juventude:

A crescente popularidade dos cigarros eletrônicos entre os jovens é uma preocupação séria de saúde pública. A exposição precoce à nicotina pode afetar negativamente o desenvolvimento cerebral em adolescentes, aumentando o risco de dependência e outros problemas de saúde.

5. Educação e Conscientização:

Promover a educação das crianças e jovens sobre os riscos associados aos cigarros eletrônicos é essencial. Incentivar a conscientização desde cedo permite que eles compreendam as implicações negativas desses dispositivos. Integrar informações sobre os perigos potenciais dos cigarros eletrônicos nos currículos escolares e campanhas de conscientização pode construir uma sociedade mais informada e resistente aos apelos desses produtos prejudiciais. Essa abordagem proativa pode ter um impacto significativo na prevenção do uso de cigarros eletrônicos entre as gerações futuras, protegendo assim a saúde pública a longo prazo.

Conclusão:

Embora o cigarro eletrônico seja muitas vezes promovido como uma alternativa segura ao tabagismo tradicional, os riscos associados a esse dispositivo são inegáveis. É crucial aumentar a conscientização sobre os malefícios do cigarro eletrônico, incentivar a regulamentação adequada e promover alternativas mais saudáveis para proteger a saúde pública.

O derrame pleural, conhecido popularmente como “água nos pulmões”, é uma condição caracterizada pelo acúmulo de líquido no espaço pleural, localizado entre as costelas e os pulmões. Essa condição pode provocar sintomas como dor torácica, falta de ar e tosse, e está associada a diversas causas, sendo as mais comuns a pneumonia, tuberculose, câncer e doenças cardíacas, renais ou hepáticas.

Quando um paciente é diagnosticado com derrame pleural, é comum que seja recomendada a realização de uma punção para coleta do líquido presente no espaço pleural, a fim de analisá-lo e confirmar a causa subjacente. Essa análise é fundamental para determinar o tratamento adequado, uma vez que cada causa requer uma abordagem específica.

Em alguns casos, quando o derrame pleural é leve e não apresenta riscos imediatos à saúde do paciente, a punção com agulha pode ser suficiente para aliviar os sintomas e resolver o problema. No entanto, em situações mais graves, pode ser necessário realizar procedimentos mais invasivos, como a colocação de dreno torácico ou até mesmo a videocirurgia.

A colocação de dreno torácico é uma técnica em que um tubo é inserido no espaço pleural para drenar o líquido acumulado. Esse procedimento é realizado sob anestesia local e pode ser necessário quando há um grande volume de líquido ou quando o derrame é recorrente.

Já a videocirurgia, também conhecida como toracoscopia, é um procedimento minimamente invasivo em que um pequeno tubo com uma câmera é introduzido no espaço pleural por meio de pequenas incisões no tórax. Esse método permite uma visualização direta do derrame pleural e possibilita a remoção do líquido e/ou a realização de biópsias para um diagnóstico mais preciso.

Além dos procedimentos invasivos, em alguns casos, o tratamento da causa subjacente do derrame pleural pode ser a abordagem principal. Por exemplo, se o derrame for causado por uma infecção pulmonar, como pneumonia ou tuberculose, o uso de medicamentos antibióticos específicos será necessário para tratar a infecção e, consequentemente, eliminar o líquido acumulado.

É importante ressaltar que o tratamento do derrame pleural deve ser individualizado, levando em consideração a causa subjacente, a gravidade dos sintomas e a condição geral de saúde do paciente. Portanto, é fundamental buscar atendimento médico especializado para obter um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Em suma, o derrame pleural é uma condição que envolve o acúmulo de líquido no espaço pleural e pode ser causado por uma variedade de fatores. Os sintomas podem ser desconfortáveis e impactar a qualidade de vida do paciente. Por isso, é essencial buscar orientação médica para identificar a causa subjacente e determinar o melhor curso de tratamento, seja por meio de procedimentos invasivos, como punção com agulha, dreno torácico ou videocirurgia, ou através do tratamento direcionado à causa específica do derrame pleural, como medicamentos para combater infecções ou outras condições subjacentes.

No renomado Simpósio de Oncologia e Hematologia de Santa Catarina, realizado nos dias 1 e 2 de setembro de 2023, no Majestic Palace Hotel, em Florianópolis/SC, um trio de especialistas da equipe ICATOR de Florianópolis desempenhou um papel fundamental.

O evento contou com a presença de Maurício Pimentel, representando Santa Catarina (SC). Maurício Pimentel compartilhou seu conhecimento e experiência no papel da imunoterapia no tratamento de eCPNPC, destacando-se como um dos palestrantes principais.

Além disso, Thiago Marcos e Fabio May, membros da equipe ICATOR de Florianópolis, desempenharam papéis importantes como moderadores. Thiago Marcos e Fabio May, ambos membros da ICATOR, trouxeram suas experiências para enriquecer o debate e a troca de conhecimento. Eles também participaram na moderação da sessão sobre câncer de pulmão, juntamente com Carolina Dutra.

Em outro momento do Simpósio, sobre o tema ‘Câncer de Pulmão – Patologia / Doença Inicial e Locorregional Não Cirúrgica’, Maurício Pimentel, ao lado de Aiuka Almeida e Arno Córdova Jr, também participou como moderador.

A participação ativa desses profissionais refletiu o compromisso da equipe ICATOR de Florianópolis com a excelência em oncologia, contribuindo significativamente para o sucesso do Simpósio.

Precisa de ajuda?